ÁREAS DE ATUAÇÃO

O que é a Companhia e o que ela faz? Qual a diferença entre Codemge e Codemig? Como trabalhar ou fazer estágio na Empresa? É possível fazer cadastro de fornecedor? Como obter patrocínio? Que empreendimentos a Companhia administra na capital mineira e no interior do estado? Respostas a perguntas como essas podem ser facilmente encontradas pelos cidadãos neste site. A nova seção de Dúvidas frequentes está disponível para consulta no portal, oferecendo esclarecimentos e orientações de forma objetiva e direta. Acesse: www.codemge.com.br/atendimento/duvidas-frequentes.

Persistindo alguma dúvida ou questionamento, o site também oferece a seção “Fale conosco”. A Companhia permanece à disposição para receber manifestações, considerações e contribuições dos cidadãos.



Voltar

Em função dos feriados de Natal e de Ano Novo, a Rodoviária de BH registrou aumento de 5% do público total no período compreendido entre 20/12/2019 e 06/01/2020, em relação ao ano anterior. O número de embarques em 2019 – 320.684 passageiros – foi 2% maior que no ano de 2018, enquanto o número de desembarques – 290.715 viajantes – foi 3% maior. Neste período de 18 dias, foram realizadas no Terminal quase 13 mil partidas e mais de 12,6 mil chegadas.Os dias de maior movimento para os embarques foram 20, 21, 23 e 27/12/2019 (sexta-feira, sábado, segunda-feira e sexta-feira), totalizando mais de 96,3 mil passageiros. Para os desembarques, os dias mais movimentados foram 21/12/19, 02, 05 e 06/01/2020 (sábado, quinta-feira, domingo e segunda-feira), com mais de 82,7 mil pessoas. Clique aqui e veja o comparativo dos últimos anos.

Os destinos mais procurados saindo da Rodoviária de BH foram: São Paulo, Campinas, Sorocaba e São Jose dos Campos, no estado de São Paulo; Conceição da Barra, Vitória, Guarapari, Marataízes e Serra, no estado do Espírito Santo; Prado, Porto Seguro e Ilhéus, no estado da Bahia; Rio de Janeiro, Cabo Frio e Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro; e Brasília, no Distrito Federal. As cidades mineiras mais procuradas foram: Itabira, Governador Valadares, Montes Claros, Salinas, Ipatinga, Teófilo Otoni, Almenara, Juiz de Fora, Santa Bárbara, São João del-Rei, Divinópolis, Poços de Caldas e Itajubá.



Voltar

Na última quarta-feira, dia 18/12, a Rodoviária de BH foi o cenário da cerimônia de inauguração do Projeto de Eficiência Energética, realizado pela Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) em parceria com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). A iniciativa possibilitou modernizar todos os equipamentos de iluminação do Terminal Rodoviário, que substituiu as antigas luminárias por equipamentos com tecnologia LED, aumentando a claridade do local, o conforto e a segurança dos usuários, além de proporcionar a redução no consumo de energia.

A solenidade de inauguração contou com a Cantata de Natal do Coral da Gremig, que emocionou aqueles que aguardavam no saguão principal da Rodoviária. Também foi aberto um espaço interativo para os visitantes fazerem fotos, o qual estará disponível até 06/01/20.

Apresentação do Coral da Gremig no balcão do Mezanino

Nesses últimos três anos, a Codemge, gestora da Rodoviária, investiu R$12 milhões no empreendimento, em diversas melhorias. Entre as ações já realizadas, estão:

  • reforma dos sanitários disponíveis ao público;
  • instalação de novos bebedouros;
  • revitalização dos pisos do hall principal e mezanino;
  • substituição de todas as cadeiras por modelos mais modernos e confortáveis;
  • instalação de sistema de monitoramento 24 horas, com mais de 200 câmeras em operação;
  • solução dos problemas de infiltração no hall principal e mezanino;
  • instalação de novas esteiras rolantes, em substituição àquelas que estavam fora de funcionamento por mais de 40 anos;
  • e instalação de mapas táteis, para orientação de pessoas com deficiência visual.

Estão em andamento, ainda, a reforma do espaço administrativo, a instalação de dois novos elevadores e a substituição de um antigo, além dos esforços para a implantação da nova praça de alimentação.

A Codemge também vem aprimorando a gestão operacional do empreendimento. Desde novembro de 2018, por exemplo, o acesso às plataformas de embarque é controlado eletronicamente. A Companhia também otimizou os espaços comerciais, os sanitários e os estacionamentos da Rodoviária, em parceria com a iniciativa privada.

Programa de Eficiência Energética

O Programa de Eficiência Energética da Cemig é regulado pela Aneel e tem como objetivo aplicar, conforme legislação, o percentual estabelecido da receita operacional da companhia em ações que promovem o uso racional da energia elétrica e a redução do desperdício, com foco na sustentabilidade.



Voltar

Em função dos feriados de Natal e Ano Novo de 2019, a Rodoviária de BH trabalha com a expectativa de aumento de 3% do público total em relação a 2018. O número de embarques deve ser 3% maior que o registrado no ano passado, enquanto o número de desembarques deve aumentar 4%. A previsão é de que aproximadamente 529 mil passageiros transitem pela Rodoviária entre os dias 20/12/2019 e 02/01/2020. Neste período, estima-se que sejam realizadas no Terminal cerca de 10,3 mil partidas e quase 10 mil chegadas.

Os dias de maior movimento para os embarques são 20 e 21/12 (sexta-feira e sábado) e 27 e 28/12 (sexta-feira e sábado), totalizando mais de 100 mil passageiros. Para os desembarques, os dias mais movimentados são 22 e 23/12 (domingo e segunda-feira), 28/12 (sábado) e 2 de janeiro de 2020 (quarta-feira), com mais de 93 mil pessoas. Clique aqui e veja o comparativo.

Os destinos mais procurados saindo da Rodoviária de BH são: São Paulo, Campinas, Sorocaba e São Jose dos Campos, no estado de São Paulo; Conceição da Barra, Vitória, Guarapari, Marataízes e Serra, no estado do Espírito Santo; Prado, Porto Seguro e Ilhéus, no estado da Bahia; Rio de Janeiro, Cabo Frio e Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro; e Brasília, no Distrito Federal. As cidades mineiras mais procuradas são: Itabira, Governador Valadares, Montes Claros, Salinas, Ipatinga, Teófilo Otoni, Almenara, Juiz de Fora, Santa Bárbara, São João del-Rei, Divinópolis, Poços de Caldas e Itajubá.

Orientações aos passageiros

Os passageiros deverão chegar com antecedência ao Terminal. Como o acesso é feito por meio da leitura eletrônica do código de barras dos bilhetes, é necessário retirar as passagens no  guichê da empresa de ônibus antes do acesso às plataformas.

Apenas os passageiros que irão embarcar têm acesso à área de embarque. A descida será liberada 30 minutos antes da partida dos ônibus. O passageiro deve atentar às seguintes orientações: portar em mãos o bilhete e a documentação obrigatória; usar os banheiros e as lanchonetes do hall de entrada antes de descer, já que a área de embarque não dispõe dessas estruturas; certificar-se de estar levando tudo o que será necessário à viagem (lanches, utensílios, etc).



Voltar

Empresa foi agraciada com o troféu e o certificado Parceiro da Qualidade

A Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) foi homenageada nesta terça-feira, 3/12, durante o 16º Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais, realizado na Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), com a presença do governador Romeu Zema. Patrocinadora do evento, a Codemge foi agraciada com o troféu e o certificado Parceiro da Qualidade, destinados aos entes que integraram competências e ações para viabilizar a iniciativa. O presidente da Companhia, Dante de Matos, esteve presente e recebeu a honraria das mãos da secretária de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Maria Soares Valentini, e do presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza.

No concurso dos cafés, 28 produtores disputaram a fase final, após análises físicas e sensoriais feitas por uma comissão de jurados. Foram classificados 12 produtores da categoria Café Cereja Descascado, Despolpado ou Desmucilado e 16 na categoria Café Natural. A comissão julgadora chegou à classificação das melhores das duas categorias, em cada região cafeeira de Minas Gerais: Cerrado, Sul de Minas, Matas de Minas e Chapada de Minas. Foram avaliados quesitos como fragrância, aroma, doçura, sabor e acidez. Para escolher os melhores, foram provadas cerca de 15 mil xícaras de café.

Na cerimônia desta terça-feira, foram anunciados os vencedores estaduais das duas categorias, além dos primeiros colocados em cada região produtora. Todos receberam diploma. O presidente da Codemge foi convidado a subir ao palco e entregar a premiação aos ganhadores da segunda colocação.

O evento é promovido pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Emater-MG, empresa vinculada à Secretaria de Estado Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), em parceria com a Universidade Federal de Lavras (UFLA), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas e a Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Faepe). O estado de Minas Gerais é o maior produtor e exportador do produto no País e conta com mais de 400 mil produtores. Outras informações estão disponíveis no site www.emater.mg.gov.br.

Categorias e tipos de café

A primeira categoria do concurso é a Café Natural. Nesse sistema, o café recém-colhido é levado para secar. A outra categoria é a do Café Cereja Descascado, Despolpado ou Desmucilado. Nesses tipos de café, após a lavagem, há uma separação dos frutos verdes e secos dos frutos maduros. Depois, eles passam por um descascador para só então seguirem para secagem. No caso dos cafés despolpados e desmucilados, há ainda uma fase onde o produto passa por um tanque de fermentação.

Premiados

Primeiro lugar na Categoria “Café Natural”

  1. Região Cerrado Mineiro (Serra do Salitre): Maria Soraia Guimarães;
  2. Região Chapadas de Minas (Francisco Dumont): Empresa Eco-Agrícola Café Ltda
  3. Região Matas de Minas (Espera Feliz): Paulo Gomes
  4. Região Sul de Minas (Bueno Brandão): Marco Antônio dos Santos

Primeiro lugar na Categoria “Cereja Descascado/Despolpado”

  1. Região Cerrado Mineiro (Presidente Olegário): André de Souza Lima Campos
  2. Região Chapadas de Minas (Francisco Dumont): Empresa Eco-agrícola Café Ltda
  3. Região Matas de Minas (Espera Feliz): Flávio José Protásio de Abreu
  4. Região Sul de Minas (Dom Viçoso): Lívio Cesar Carvalho Ferraz

Medalha e certificado Extensionista Destaque
Região Matas de Minas (Espera Feliz), Antônio Fernando Teixeira

Grande Campeão Estadual
Região Matas de Minas (Espera Feliz): Paulo Gomes

Confira mais fotos do evento:



Voltar

Na última quinta-feira, 28/11, o BiotechTown realizou em sua sede, em Nova Lima, o 1º Demoday, evento para apresentar ao mercado a evolução alcançada pelas empresas investidas na 1ª Edição do seu Programa de Desenvolvimento de Negócios. O encontro reuniu as nove startups selecionadas no programa de aceleração, além de investidores e convidados do segmento de bionegócios. A abertura contou com a participação do Diretor de Fomento à Alta Tecnologia da Codemge, Ricardo Toledo.

Ricardo Toledo, diretor de Fomento à Alta Tecnologia da Codemge, abre o evento

O BiotechTown é um hub de inovação em biotecnologia e ciências da vida. Tem como objetivo impulsionar negócios nascentes ou já estabelecidos de base biotecnológica e é um dos investimentos da Codemge.

As startups fizeram uma exposição das suas principais conquistas no período em uma sessão de pitches e foram avaliadas por jurados especializados, dentre eles, a analista da Codemge de projetos de Biotecnologia, Danielle Silva. São empresas que atuam nos mais diversos campos, que envolvem temas como inteligência artificial, desenvolvimento de anticorpos e proteínas, microbiologia voltada à produção de gêneros alimentícios, medicina de alta precisão, entre outros.

Ao final, três prêmios foram concedidos às empresas mais bem qualificadas: à Startup Mais Atrativa – OncoTag (oncologia de precisão para tratamento de câncer de ovário); à Melhor Empreendedora – Letícia Braga, CEO da OncoTag; e à Melhor Startup do Programa – Far-me (serviços farmacêuticos associados à entrega, organização de medicamentos de acordo com a hora e o dia prescritos).

Além dos pitches, o Demoday contou com apresentação do painel “Cenários e desafios do empreendedorismo Biotecnologia e ciências da vida”.

Equipe do BiotechTown e empresários das startups da 1ª Edição do Programa de Desenvolvimento de Negócios

PROGRAMA

O programa de desenvolvimento de negócios do BiotechTown está atualmente em sua 2ª edição. As startups investidas pelo programa têm acesso à metodologia especializada, mentores com expertise técnica, networking, acesso à rede global de parceiros e, ainda, investimento de até R$ 150 mil em capital semente por equipe.

BIOTECHTOWN

Inaugurado em 2018 para conectar empresas, pesquisadores e investidores, o BiotechTown visa impulsionar o desenvolvimento de bionegócios no mercado nacional e internacional dando suporte desde o registro e produção inicial até a inserção comercial dos produtos. Para isso, dispõe de uma infraestrutura completa de coworking, salas de reunião, laboratório aberto (Open Lab) e planta de produção (CMO), promove um ambiente e oportunidades de conexões, atendendo startups e empresas de todos os portes.

O BiotechTown é fruto da parceria entre a Fundepar e a Codemge. Também são apoiadores a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Associação Nacional de Empresas de Biotecnologia (Anbiotec) e o projeto CSul — Desenvolvimento Urbano.

CODEMGE E ALTA TECNOLOGIA

Desde 2015, o Governo do Estado e a Codemge têm se dedicado a estimular projetos e novas oportunidades no nicho de empresas de alta tecnologia e inovação no território mineiro, incluindo a biotecnologia. A Diretoria de Fomento à Alta Tecnologia da Companhia foi especialmente criada para estimular este importante eixo estratégico, segmento de mercado que cresce dia após dia.

Buscando dinamizar a economia mineira e elevar sua vantagem competitiva, a Codemge tem promovido investimentos diversificados em novos modelos de negócio e segmentos estratégicos, como biotecnologia e ciências da vida; eletroeletrônica, semicondutores e telecomunicações; aeroespacial, automotivo, química, defesa e segurança; medicamentos e produtos do complexo da saúde; novos materiais, tecnologia de informação, ciência e sistemas de computação.



Voltar

Matéria da edição de novembro/19 da revista Pesquisa Fapesp, editada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, cita projeto da Codemge e da Oxis Energy como uma das iniciativas com potencial de posicionar o Brasil no mercado das baterias para mobilidade elétrica

FOCO NAS BATERIAS DE LÍTIO

Iniciativas podem inserir o Brasil no crescente mercado de sistemas de armazenamento de energia para veículos elétricos

Domingos Zaparolli

O Brasil pode passar a integrar em breve o grupo de países que fabricam baterias para mobilidade elétrica, segmento liderado por China, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul. Pelo menos quatro iniciativas, envolvendo empresas nacionais em colaboração com estrangeiras, estão em curso no país com essa finalidade. Na maioria delas, a tecnologia das baterias foi ou está sendo desenvolvida pelo parceiro internacional.

Um dos projetos é encabeçado pela Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), que fechou um acordo em 2018 com a companhia inglesa Oxis Energy para constituir a primeira fábrica em escala industrial de células de bateria de lítio-enxofre (Li-S) do mundo. A tecnologia, segundo a Oxis, tem desempenho e segurança superiores ao das baterias de lítio-íon, a principal solução que abastece o mercado de veículos elétricos.

Laboratório da Oxis Energy, na Inglaterra, criadora das baterias de lítio-enxofre

A tradicional fabricante de baterias Moura, a desenvolvedora de sistemas de células a combustível Electrocell e um consórcio que une os mineiros da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) e os japoneses da Toshiba também planejam se estabelecer nesse segmento.

Em um primeiro momento, o alvo da Oxis Brasil, empreendimento fruto da parceria entre a Codemge e a Oxis Energy, será o segmento de veículos pesados, como ônibus e caminhões, e as indústrias de defesa e aeroespacial, com aplicações em drones, satélites e os veículos elétricos de decolagem e aterrisagem vertical (eVTOLs).

Planejada para ser erguida em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, com um investimento de US$ 56 milhões, a fábrica deve começar a operar em 2022 com uma produção anual de 300 mil células de bateria. No segundo ano, a expectativa é de chegar a 1,2 milhão de unidades, metade da capacidade total esperada. A estrutura já prevê uma futura ampliação, que permitirá a fabricação anual de 4,8 milhões de células.

Uma bateria veicular é, na verdade, um conjunto de pequenas baterias (chamadas células), que são integradas, formando um pacote, e geridas por um software denominado BMS (Battery Management System ou sistema de gestão de bateria). Para cada aplicação é desenhado um pacote específico de células com ligações em série e em paralelo.

Uma bateria para ônibus, por exemplo, demanda por volta de 10 mil células. Rodrigo Mesquita, gerente da unidade de Novos Negócios da Codemge, informa que a fábrica não se dedicará a produzir as baterias. Essa função ficará a cargo de empresas integradoras de células e sistemas BMS.

“O prêmio Nobel de Química deste ano foi dado a três pesquisadores que conduziram pesquisas relacionadas às baterias de lítio”

“Estamos em fase de definição dos parceiros que farão essa integração. Esperamos atrair alguns deles para o Brasil”, afirma. Os integradores deverão ser indicados pelos futuros clientes das baterias. Entre as companhias que já manifestaram interesse no equipamento estão a brasileira Embraer, as norte-americanas Boeing e Lockheed Martin, o consórcio europeu Airbus e as alemãs Mercedes-Benz e Porsche.

A tecnologia das células de baterias de lítio-enxofre foi desenvolvida pela Oxis Energy. A Codemge, por meio do fundo de investimentos Aerotec, criado por ela, investiu no ano passado R$ 18,6 milhões por uma participação de 12% na Oxis Energy e trouxe o projeto industrial para o Brasil a fim de adensar a cadeia produtiva do lítio em Minas Gerais. A região do Vale do Jequitinhonha, no nordeste do estado, desponta com potencial de se posicionar como grande produtora do minério.

A Oxis Brasil será a primeira fábrica em escala comercial de baterias de lítio-enxofre do planeta. A tecnologia está em desenvolvimento em vários centros de pesquisa do mundo. No Japão, a Sony trabalha para criar baterias de smartphones com os materiais, enquanto nos Estados Unidos a Sion Power Corporation desenvolve baterias veiculares de lítio-enxofre. Esse também é o objetivo do Projeto Alise, um consórcio europeu formado por 16 empresas, do qual a Oxis Energy faz parte, cujo foco é o desenvolvimento de novos materiais e o entendimento dos processos eletroquímicos envolvidos na tecnologia de enxofre e lítio.

Em 2018, o Brasil produziu apenas 600 toneladas (t) de lítio, volume equivalente a cerca de 0,7% do mercado global. A produção brasileira foi realizada pela Companhia Brasileira de Lítio (CBL), empresa na qual a Codemge tem participação societária. O Serviço Geológico do Brasil estima que as reservas nacionais, concentradas no Vale do Jequitinhonha, respondam por 8% do minério no mundo, de cerca de 14 milhões de toneladas. Austrália e Chile são os maiores produtores globais de lítio, com, respectivamente, 51 mil t e 16 mil t.

O lítio é um metal leve e de alta densidade energética, ou seja, capaz de concentrar mais energia em um espaço menor quando comparado com as baterias de níquel-cádmio utilizadas nos primeiros celulares e notebooks ou as automotivas convencionais de chumbo-ácido, empregadas para acionar o motor de veículos a combustão (ver Pesquisa FAPESP nº 258).

A maioria das baterias de lítio-íon é construída com uma combinação na qual o ânodo (polo negativo) é feito com carbono grafite, enquanto o cátodo (polo positivo) é composto com óxido de lítio e um mix de metais, que inclui níquel, manganês e cobalto. O eletrólito (o meio por onde os átomos de íons se movem entre os polos) é uma mistura de solventes orgânicos e sais de lítio.

Valdirene Peressinotto, coordenadora de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) da Codemge, explica que, por conta dos materiais utilizados e do processo produtivo, essa combinação de materiais apresenta problemas de segurança quando exposta a situações de estresse, como aquecimento acima de 45 oC, curto-circuito e perfuração, um risco que existe em caso de colisão de veículos.

A solução de bateria criada pela Oxis Energy prevê o uso de lítio metálico no ânodo, substituindo o carbono grafite, e uma combinação de enxofre e carbono no cátodo. A empresa desenvolveu uma tecnologia própria para o cátodo e o eletrólito. Os testes realizados indicam que essas novas baterias são seguras, operam normalmente em temperaturas que vão de 60 oC negativos a 80 oC positivos e não explodem quando perfuradas ou quando em condição de curto-circuito.

Além da segurança de operação, outra vantagem das baterias de lítio-enxofre é a densidade energética. Enquanto as de lítio-íon concentram no máximo 240 watts-hora por quilo (Wh/kg), as de lítio-enxofre armazenam 450 Wh/kg. Na prática, isso permite construir baterias menores, mais leves, que proporcionam uma maior autonomia aos veículos.

Um dado importante, observa Peressinotto, é que as de lítio-íon já estão próximas de seu limite teórico de eficiência, enquanto as de lítio-enxofre ainda têm potencial de evolução em relação à densidade energética. “A expectativa da Oxis é de alcançar uma densidade de 550 Wh/kg já em 2020”, informa a coordenadora de PD&I da Codemge.

Fonte: Revista Fapesp – Clique aqui e acesse a matéria completa



Voltar
  • Consolidado como um dos mais importantes eventos do setor no país, a MAX 2019, em sua 4ª edição, propõe uma nova dinâmica para promover negócios e debates sobre tendências e políticas de incentivo ao setor.
  • Durante dois dias de intensas atividades, Belo Horizonte será palco de integração, negócios e oportunidades para os produtores mineiros e o mercado de audiovisual brasileiro.

Nos dias 28 e 29 de novembro, será realizada a quarta edição da MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo, evento promovido pelo Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae Minas) e pelo Serviço Social da Indústria (Sesi-MG). O evento ocorre na sede do Sebrae-MG: avenida Barão Homem de Melo, 329, Nova Granada, em Belo Horizonte, nos dias 28 e 29 de novembro, das 9h às 19h. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br e, durante o evento, no próprio local.

Caracterizando-se como uma plataforma de negócios e relacionamento dinâmica e inovadora, a MAX oferece oportunidades para toda a cadeia produtiva do setor, reunindo, além de produtores, distribuidores e exibidores de conteúdo de cinema, televisão e internet, desenvolvedores de jogos e profissionais de artes gráficas, música e publicidade em torno de uma extensa e qualificada programação que inclui salão de negócios, debates sobre temas de interesse do setor e atividades de capacitação.

Segundo Marcelo Braga de Freitas, Gerente de Fomento e Incentivo da Codemge, “a MAX é um evento que tem como objetivo fomentar negócios no setor audiovisual em todas as etapas da cadeia produtiva. Dessa forma, a promoção de um painel abrangente, que priorize a atualização e o relacionamento dos profissionais envolvidos, revela-se como uma importante ferramenta para o incremento dos investimentos e o aumento das oportunidades comerciais e criativas para todos os participantes”.

Oportunidades de negócios

Um dos esteios da programação, as rodadas de negócios colocam em contato produtores de conteúdo audiovisual e os chamados players: canais, produtoras, distribuidoras e outros. Há espaço para diversos gêneros e formatos, como longas-metragens, séries, programas de TV, documentários, reality shows, além de conteúdos de catálogo, em três categorias: ficção, documentário e kids. Entre os selecionados para as rodadas, foram escolhidos ainda 12 projetos para participação nos pitchings, ocasião em que os produtores apresentam suas propostas para um grupo qualificado de players e investidores do mercado de audiovisual. A edição 2019 da MAX recebeu inscrições de 476 projetos, de 13 estados brasileiros, excedendo em 11% o número registrado na edição passada – os 425 projetos inscritos em 2018 geraram, após as rodadas de negociações, um volume de prospecção de negócios da ordem de R$ 526 milhões.

Serão 200 propostas de documentários, 188 de ficção e 88 de animação. Minas Gerais lidera o ranking de inscrições com 291 projetos, seguido pelos estados de São Paulo (66), Rio de Janeiro (48), Bahia (19) e Rio Grande do Sul (12). Distrito Federal, Maranhão e Paraná serão representados por oito projetos cada; Santa Catarina com seis inscrições; Espírito Santo e Pará com quatro propostas por estado; Piauí e Sergipe com um cada.

Do lado dos players, já estão confirmadas as participações da Academia de Filmes, Amazon Studios, Arte1, Band, Boutique Filmes, Canal Brasil, Canal Futura, Elo Company, Europa Filmes, Fitness Channel, Giros Filmes, Glaz, Globo Filmes, GloboNews, Gloob & Gloobinho, GNT, Investimage, Looke, Mais Globosat, National Geographic, Nickelodeon, Sony Channel / AXN, TV Brasil, Viacom International Studios (VIS), entre outros.

Programação ampla e qualificada

A MAX promove negócios e atividades de capacitação profissional, cultural e educativa para o setor audiovisual. “É um evento indispensável para todos aqueles profissionais que atuam nesse importante segmento da indústria brasileira”.  É dessa forma que Lucas Soussumi, Gerente de Projetos da Associação Brasileira de Produtores Independentes de Televisão (Bravi) e curador da programação da MAX 2019, resume a importância do evento. “Reunimos os principais nomes do mercado audiovisual brasileiro – diretores, produtores, executivos, roteiristas e tantos outros profissionais de grande relevância -, para promover milhares de oportunidades de networking e debates sobre a inovação, a cultura, o mercado e as políticas para o setor”, acrescenta Soussumi.

O evento irá contar com uma ampla e diversificada programação, com abordagens que incluem temas atuais como políticas públicas para o setor, conteúdo infantil, diversidade e inclusão, presença feminina na animação, criação de conteúdo com abrangência internacional, entre outros, de forma a estabelecer um debate consistente e inspirador para o desenvolvimento do setor. Entre os destaques, o painel Elas Animam: a presença feminina no mercado de animação, em que realizadoras abordam o papel cada vez maior das mulheres na indústria audiovisual e de animação. Já a oficina Acessibilidade como negócio audiovisual vai orientar os participantes no cumprimento dos requisitos legais mas também demonstrar que investir em acessibilidade, além de demonstrar comprometimento social, abre caminho para o aumento da audiência em todas as janelas de distribuição.

As novas tecnologias também serão exploradas, em painéis como o X-Reality – Mercado, Conteúdo e Tendências, que reúne especialistas em mídias imersivas; o Blockchain na Indústria Criativa, que fala sobre as criptomoedas e suas possibilidades para aumentar a segurança, a organização e a agilidade na monetização de conteúdos; e o Insights, Big Data e Algoritmos: como os dados definem o que consumimos, sobre o desafio de traçar o perfil dos consumidores a partir dos dados de consumo, pesquisas e interações na web.

Programação cultural

Paralelamente ao salão de negócios, painéis e debates focados no mercado audiovisual, a MAX 2019, reiterando a importância da indústria criativa como ferramenta de inserção e democratização da cultura, promove atividades culturais gratuitas durante o evento. Todas as atividades culturais acontecem também no Sebrae-MG.

Na abertura oficial, no dia 28 de novembro, às 9h, a Orquestra de Câmara Sesiminas executa um repertório composto exclusivamente por trilhas sonoras de clássicos do cinema, sob a regência do Maestro Marco Antônio Maia Drumond. Criada em 1986 com o objetivo de garantir o acesso do público à música orquestral de qualidade, a Orquestra de Câmara Sesiminas já conta com mais de 1.200 apresentações em seu histórico.

Por meio do SESI Museu de Artes e Ofícios, em parceria com o Museu da Imagem e do Som (MIS-BH), a MAX 2019 promove a Exposição Imagem, Memória, Técnica Audiovisual, que irá retratar a evolução tecnológica do cinema, delineando equipamentos e técnicas de várias épocas da sétima arte. A mostra fica em cartaz de 28 de novembro a 12 de dezembro, das 8h às 18h.

Também durante o evento haverá a Sessão Educativa de Cinema, com a projeção do filme O Menino no Espelho. Dirigido por Guilherme Fiúza Zenha e baseado na obra do escritor Fernando Sabino, o filme conta a história de Fernando, um menino de 10 anos que está cansado de fazer tarefas chatas e sonha em ter um sósia para assumi-las. Certo dia, seu desejo se realiza e seu reflexo ganha vida própria e deixa o espelho. A Sessão Educativa de Cinema será exclusiva para alunos de escolas públicas de Belo Horizonte, e terá direito a ônibus para deslocamento dos estudantes e pipoca durante as sessões.

A MAX 2019 será realizada nos dias 28 e 29 de novembro, das 9h às 19h, na sede do Sebrae-MG: avenida Barão Homem de Melo, 329, Nova Granada, em Belo Horizonte. Saiba mais e inscreva-se gratuitamente em www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br.



Voltar

Em função do feriado da Proclamação da República, celebrado em 15 de novembro, a Rodoviária de Belo Horizonte realizou mais de 88 mil desembarques e de 93 mil embarques. Ao todo, mais de 182 mil pessoas passaram pela Rodoviária no período de seis dias compreendido entre 13/11 e 18/11. A quinta-feira (14/11), o domingo (17/11) e a sexta-feira (15/11) foram os dias mais movimentados para o embarque de passageiros, com quase 59 mil pessoas. Já para o desembarque, as datas de maior fluxo foram segunda-feira (18), domingo (17) e sexta-feira (15) com mais de 56 mil passageiros.

Os 93.610 embarques deste ano apresentam volume semelhante ao registrado em 2018 (93.824 pessoas), e os 88.647 desembarques representam 5% a mais que o registrado em 2018 (84.244 pessoas). Ao todo, somando-se as partidas e as chegadas, foram 8.053 ônibus. Clique aqui e confira a tabela completa com os números de embarques, desembarques, chegadas e partidas, de 2017, 2018 e 2019. 

O feriado de Finados teve como principais destinos as cidades do Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Guarapari e Vitória (ES). Já as cidades mineiras mais procuradas foram Governador Valadares, Ipatinga, Teófilo Otoni, Itabira, São João del-Rei, Conselheiro Lafaiete, Ouro Preto, Teófilo Otoni, Viçosa, Montes Claros e Divinópolis.



Voltar

A Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) está com Edital aberto para a concessão onerosa de uso de espaços para a gestão da casa de chá, café e o comércio de produtos alimentícios nas Thermas Antônio Carlos, em Poços de Caldas.

A licitação, que será na modalidade pregão presencial, está marcada para o dia 28/11, às 10h, nas Thermas Antônio Carlos, em Poços.

Podem participar da licitação pessoas jurídicas nacionais ou estrangeiras, ligadas ao ramo alimentício. Para isso, basta consultar as regras e orientações do Edital, disponível no site da Codemge (www.codemge.com.br), na aba Licitações.

As Thermas Antônio Carlos foram inauguradas em 1931, como o primeiro estabelecimento termal do Brasil a oferecer uma série de serviços e tratamentos corporais a partir do uso da água termal.

O Governo de Minas Gerais passou a gerir as Thermas Antônio Carlos em 15 de janeiro de 2018. O empreendimento, pertencente à Codemge, é hoje um spa termal que oferece tratamentos de saúde, beleza e bem-estar, com o diferencial das águas minerais. Os serviços incluem banhos termais, limpeza de pele, massagens, drenagem linfática, bambuterapia, sauna, duchas, liposhock (sessão de redução de medidas), manicure, pedicure, depilação, design de sobrancelhas, entre outros.

As Thermas, abertas diariamente das 9h às 20h, recebem um público de aproximadamente 3mil pessoas/mês, totalizando mais de 30mil visitantes/ano.

Poços de Caldas

Poços de Caldas é uma das mais importantes e tradicionais cidades de Minas Gerais. Localizada na região Sul do Estado, tem posição estratégica em relação a importantes capitais brasileiras. Teve sua criação oficial em 1872, com a doação de terras onde se localizava a fonte de águas sulfurosas; em 1886, já havia na localidade uma casa de banho, seguida por outras nos anos posteriores.

Desde o final do século XVIII, as águas termais de Poços de Caldas são conhecidas por suas virtudes curativas e são usadas nos mais diversos tratamentos.

Serviço:

Pregão Presencial – 28/11/2019, às 10h.
Endereço: Thermas Antônio Carlos – R. Junqueiras, s/n, Centro, Poços de Caldas/MG. 



Voltar