ATIVIDADES

Nota de Esclarecimento da Codemig/Codemge – Parque das Águas de Caxambu

3 de agosto de 2018

Um artigo publicado no site e em página do Facebook do Jornal Arte 3 nesta quinta-feira, 2/8/18, acerca do Parque das Águas de Caxambu, faz menção indevida à Codemig. Em resposta, a Empresa vem prestar seu posicionamento e os seguintes esclarecimentos, em favor do processo ético, dialógico e transparente valorizado pela Companhia e em contraponto à desinformação observada no conteúdo divulgado no referido texto.

  1. O artigo “Caxambu, em memória das águas minerais – Que Brasil você quer para o futuro?” fala em “colocar o dedo na ferida da Codemig” e comenta que o Balneário do Parque está fechado. A verdade é que a Codemig/Codemge assumiu, em 01/10/17 ― portanto, há menos de 1 ano ―, a gestão do Parque das Águas de Caxambu, após mais de 25 anos sob gestão da Prefeitura Municipal, encontrando o local em situação precária de conservação e manutenção, como se verifica nas imagens que seguem.

  2. O autor chega a dizer “que ninguém faz nada”. A verdade é que, historicamente, entre 2007 e 2009, a Companhia investiu cerca de R$ 7,5 milhões em obras de reforma, restauro e aquisição de móveis e utensílios para o Balneário de Caxambu, além de R$ 400 mil para reformas em  2014 (pisos; recomposição/pintura de paredes; melhorias nas saunas; peças para casa de bombas; revisão de telhado, instalações sanitárias, corrimãos, quadro elétrico, entre outros), mais R$ 79 mil para levantamentos cadastral e de diagnóstico dos Fontanários e do Coreto em 2017 e outros quase R$ 80 mil para individualização das drenagens dos três poços da Fonte Mayrink até a Fonte Venâncio em 2017. Apesar de todos os investimentos feitos pela Companhia no Parque, a própria situação atual demonstra que não houve manutenção adequada por parte da Prefeitura, então responsável pela gestão do empreendimento.
  3. Sobre o Balneário, a verdade é que, quando a Companhia assumiu a gestão do Parque, em outubro de 2017, o local já estava fechado pela Prefeitura, devido à ausência de manutenção. A Codemig/Codemge recebeu o imóvel em estado de completa deterioração e péssimo estado de conservação. Diante da negativa por parte da Prefeitura em assinar o termo de entrega e recebimento do Parque, a Codemig/Codemge ajuizou, em 10/11/17, ação visando à realização de perícia judicial para constatação da situação do mesmo (processo 0028.312-76/2017.8.13.0155), de maneira clara e evidente. A Justiça autorizou a perícia em 12/12/17, sendo que os trabalhos periciais começaram em 12/3/18 e seguem em andamento, a fim de levantar os reparos necessários em face da inexistência de adequada manutenção e cuidados mínimos com o ativo público. A operacionalização completa do Parque depende da finalização dessa perícia judicial. A Codemig/Codemge está aguardando que a perícia seja encerrada para que possa iniciar os trabalhos de restauração e manutenção das instalações. A Empresa reconhece o estado lastimável em que recebeu o empreendimento e está comprometida em restaurar o Parque para o benefício da população de Caxambu.
  4. Enquanto aguarda o término da perícia, a Companhia está investindo na limpeza e na manutenção constante do Parque, além de estar recebendo os usuários sem interrupção ou descontinuidade. A Empresa manteve a política de acesso ao parque para os cidadãos de Caxambu, quanto a horário de entrada, valores de ingresso e volume de água disponível, por exemplo. Ou seja, não houve qualquer alteração na relação do Parque com a comunidade. Além disso, desde que assumiu a gestão do Parque das Águas de Caxambu há menos de 1 ano, a Codemig vem promovendo diversas ações de preservação, manutenção básica e melhoria imediata no empreendimento:
    – Pintura geral dos meios fios, passeios e escadas de todo o parque;
    – Reforma das quadras de tênis e do parque de brinquedos;
    – Limpeza diária de todas as fontes e dos sanitários do parque;
    – Desobstrução da tubulação de água do gêiser, normalizando o fluxo diário de água;
    – Revisão da parte elétrica das fontes, com reparo de tomadas, troca de lâmpadas e elevação do quadro de força da quadra de tênis, mitigando riscos de choques;
    – Renovação de sinalização dos portões de acesso;
    – Manutenção das calçadas;
    – Limpeza geral do gramado e dos jardins;
    – Capina ao redor do lago;
    – Vigilância e segurança contínuas;
    – Aquisição de mobiliário de piscina;
    – Limpeza do quiosque do Chico Cascateiro ao lado do Rinque de Patinação;
    – Instalação de placas direcionais e explicativas ao longo do Parque;
    – Colocação de urna de ouvidoria para dúvidas, reclamações e sugestões;
    – Informatização da bilheteria do Parque, inclusive com a possibilidade de compras online.
  5. Sobre o gêiser localizado no Parque, o autor do artigo diz que lhe disseram que o solo está afundando e que, então, o gêiser não pode funcionar. A verdade é que, por medidas de segurança, a administração do Parque das Águas de Caxambu interditou temporariamente, desde 26/7/18, a área do gêiser para que seja realizada intervenção emergencial. Parte do piso no entorno do gêiser cedeu. As possíveis causas desse afundamento são erosão por vazamento ou infiltração. O solo na região em que fica localizado o gêiser é formado predominantemente por turfa, material de baixa resistência. No intuito de verificar, reparar e evitar o agravamento desse dano, o local está interditado para que sejam tomadas todas as medidas corretivas de forma imediata. Tendo em vista a natureza da situação, mesmo com a perícia judicial em curso, a administração está providenciando para que a questão seja resolvida o mais brevemente possível. A empresa Bem Engenharia, credenciada por meio do Edital de Credenciamento 02/17, foi acionada pela Codemig/Codemge para realizar visita técnica ao local, o que fez no último dia 26/7 – seguem fotos registradas na ocasião. Após isso, a Bem Engenharia está se mobilizando para iniciar a resolução da situação a partir do próximo dia 8/8. A estimativa é de que a intervenção seja concluída em 60 dias, levando em conta a necessidade de procedimento manual e criterioso de escavação.

  6. Cabe pontuar que, entre outras ações de fomento realizadas pela Codemig/Codemge na região, estão: revitalização do Theatro Palace Casino de Poços de Caldas (R$ 8,4 milhões); reforma do Parque do Marimbeiro (R$ 477 mil), em Cambuquira; reforma e revitalização do Parque das Águas de Contendas (R$ 1,5 milhão), em Conceição do Rio Verde-MG; reforma do Balneário de Pocinhos do Rio Verde (R$ 2,7 milhões), em Caldas, e no Cassino de Lambari (R$ 12 milhões), importantes empreendimentos culturais e de significativo valor histórico. Além disso, com o objetivo de fomentar o desenvolvimento regional, a Companhia realizou a doação de três parques aos seus respectivos Municípios: Cambuquira (Parque das Águas, totalizando 1.141.591 m² de área doada, com valor avaliado em R$ 16.285.000,00); Lambari (Parque das Águas, 3.362,95 m², R$ 1.043.965,19, além do Lago Guanabara e da Mata, que juntos somam cerca de 125 hectares e R$ R$ 30.993.000,00); e Conceição do Rio Verde (Parque das Águas Contendas, 93.324 m², R$ 3.455.000,00). A Codemig/Codemge chegou a propor a doação do Parque das Águas de Caxambu ao Município, que não aceitou.

Por fim, ressalta-se que a Companhia tem assumido a gestão de empreendimentos de sua propriedade, tendo criado, inclusive, uma Coordenação de Parques e Balneários, dentro da Gerência de Promoção e Comercialização de Ativos, conferindo especial atenção a essa frente de ação.