ÁREAS DE ATUAÇÃO

Sala Minas Gerais recebe show inédito “Titane em noite de Santo Reis”

4 de dezembro de 2018

Depois de vários pedidos do público após lançamento do CD Titane Canta Elomar, a cantora sobe ao palco da Sala Minas Gerais com o compositor baiano, cantando um repertório selecionado especialmente para o encontro de titãs. Titane será acompanhada também pelos músicos Hudson Lacerda (violões) e João Omar (violão e violoncelo), maestro e filho de Elomar. Os ingressos já estão à venda no site Eventim.

No dia 8 de dezembro, sábado, Titane se apresenta em show inédito com participação especial do compositor e violonista baiano Elomar. A apresentação começa às 20h, na Sala Minas Gerais (Rua Tenente Brito Melo, 1090 – Barro Preto). Também acompanham a cantora os músicos Hudson Lacerda (violões) e João Omar (violões e violoncelo). Os ingressos custam R$30 (inteira) e R$15 (meia) e estão à venda pelo site Eventim. A abertura dos portões será às 19h30. Classificação etária: Livre. Este show tem o patrocínio da Codemge e Cemig.

A primeira e única vez que Titane cantou com Elomar foi no final de 2016, em Belo Horizonte, como sua convidada, em um concerto de comemoração aos 80 anos do artista. “Elomar é um cavaleiro encantado, um dos maiores compositores da história da música brasileira. Ter minha voz soando em duo com a voz dele, recebê-lo no palco me enche de alegria e encantamento! Fico orgulhosa por podermos oferecer este encontro ao público belo-horizontino”, diz Titane.

Depois de aclamados pedidos, após lançamento do CD Titane Canta Elomar em março de 2017, agora foi a vez da cantora propor ao compositor um novo encontro. Eles dividem palco na Sala Minas Gerais, no show “Titane Em Noite de Santo Reis”. O nome vem da canção natalina Noite de Santo Reis, composta por Elomar e lançada em 1986. “Nosso show será como um concerto de Natal que anuncia o ano novo. Sempre canto nessa época pensando no que passou ao longo do ano, renovando sentidos, ideias, pensamentos para a virada do ano. Acreditando na paz, na justiça, na força de lutar para conquistá-la e na solidariedade aqui na terra”, explica.

O concerto terá três momentos. No primeiro, Titane será acompanhada por Hudson Lacerda (violões) e João Omar, instrumentista e maestro, que tocará violão e violoncelo. Depois, o compositor baiano Elomar assume o palco, ao lado de João Omar. Na terceira parte do concerto acontece o encontro de Titane e Elomar.

No repertório de “Titane Em Noite de Santo Reis”, o público vai conferir 14 clássicos elomarianos, alguns deles inéditos na voz da cantora, como Noite de Santo Reis e Joana Flor das Alagoas. Outra novidade que dá frescor à apresentação é que Titane vai cantar também pela primeira vez com esse trio de bambas algumas canções do repertório do recém-lançado CD Titane Canta Elomar. “É uma oportunidade rara para uma cantora de música popular cantar um repertório de música brasileira, composto por Elomar, em uma sala como essa, tão importante para o cenário musical, de acústica tão apurada, e acompanhada por esse trio de músicos incríveis”, explica.

Ficha técnica do show

Titane – voz
Elomar – voz e violão
João Omar – violão e violoncelo
Hudson Lacerda – violões

Sobre Elomar

Compositor, violonista e cantor, Elomar Figueira Melo nasceu na cidade baiana de Vitória da Conquista e aprendeu a tocar viola ainda garoto. Gravou seu primeiro compacto em 1968, um disco independente com as faixas autorais O Violeiro e Canção da Catingueira.

Boa parte de seus textos musicais são escritos em linguagem dialetal sertaneza (sic); título de linguagem atribuída por ele mesmo. Com sua forma autêntica de tocar o violão, muitas vezes alterando a afinação do instrumento, Elomar se tornou uma grande referência na música brasileira. Sua proposta poética revela e faz alusões permanentes a valores artísticos fundados nas tradições européias, sobretudo, as medievais e ibéricas, assim como ao universo judaico e cristão.

Surgem assim em seus poemas cavaleiros, nobres intrépidos, donzelas, princesas, menestréis, castelos, corcéis e valores como honra, coragem e amor. Para narrar esse imenso universo, ele utiliza formas clássicas da cultura erudita como o romance, épicos, autos e antífonas. No entanto, todo esse mundo é filtrado e recriado pelo imaginário sertanejo nordestino. A cultura oral e popular, assim, se impõe para contar as histórias da gente do sertão.

Sobre Titane

Em 30 anos de trajetória, Titane pautou seu percurso por escolhas rigorosas. Do repertório aos arranjos, tudo sempre foi feito para desafiar os limites de sua interpretação, sustentada por uma voz afiada como lâmina. Titane vai além dos padrões convencionais do mercado criando desde as “Minas Gerais nacionais” – como se refere o jornalista Pedro Alexandre Sanches ao citar sua representatividade na cena brasileira mesmo atuando fora do eixo Rio-São Paulo –, dando sua interpretação original à obra de diferentes compositores brasileiros.

Intérprete por excelência, desde seu primeiro disco (1985) alia canções inéditas de compositores contemporâneos ao cancioneiro popular. Em Inseto Raro (1996) gravou inéditas de Chico César, Lenine, Luiz Tatit, Maurício Pereira, André Abujamra e canções de domínio público.

Com o disco Sá Rainha (2000) protagoniza junto a outros artistas da sua geração o momento de gestação de uma música fundada em elementos afromineiros, segmento que hoje está em plena expansão. Ainda nesta seara, com o show cênico musical Titane e o Campo das Vertentes (a partir do qual produziu DVD (2012) e livro (2015)) permanece sintonizada afetiva e culturalmente coma sua cultura de origem, evoluindo como artista de seu tempo, revelando a contemporaneidade da produção artística dos rincões do Brasil.

Com o disco ANA (2008) Titane surpreende ao apresentar uma coletânea da nova cena musical mineira experimentando outras alturas para o seu canto em uma interação suave com as tecnologias. Com Tulio Mourão vem apresentando os shows-manifesto do disco Paixão e Fé (2015), em que refletem sobre a mineração e o direito à vida. Seu mais novo disco Titane canta Elomar (2018) marca um tempo inédito em sua carreira ao se dedicar à obra de um único compositor.

Sobre os patrocinadores

Codemge: Sala Minas Gerais

Inaugurada em fevereiro de 2015, a Sala Minas Gerais, construída pela então Codemig no Centro de Cultura Presidente Itamar Franco, incluiu o estado no roteiro de grandes concertos internacionais de música erudita. O espaço tem capacidade para 1,4 mil espectadores, foi projetado com alta tecnologia e possui acústica comparável à das melhores salas do mundo. Além disso, oferece salas de ensaio individuais e coletivas, infraestrutura para gravações de áudio e vídeo, iluminação cênica, pontos de apoio para equipes de televisão e instalações acessíveis a portadores de necessidades especiais.

O fomento da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) à música faz parte de um contexto de investimento sistemático na Indústria Criativa. O objetivo é potencializar o desenvolvimento de novos negócios que gerem empregos, renda e riquezas para o Estado. A Indústria Criativa constitui a cadeia produtiva composta pelos ciclos de criação, produção e distribuição de bens e serviços que usam criatividade e capital intelectual como insumos primários. Estima-se que haja mais de 250 mil empresas no Brasil na área da Indústria Criativa.

Cemig: perfil da companhia

A Cemig é a maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, com mais de 530 mil quilômetros de linhas de distribuição e uma capacidade instalada de 5,6 GW. Vale destacar que a concessionária foi selecionada, pela 18ª vez consecutiva, para compor a carteira do Índice Dow Jones de Sustentabilidade no período 2017/2018, mantendo-se como a única companhia do setor elétrico da América Latina a fazer parte do índice desde a sua criação, em 1999. A companhia está presente em 22 Estados e no Distrito Federal e conta com mais de 127 mil acionistas em 44 países e ações negociadas nas Bolsas de Valores de Nova York, Madri e São Paulo.

Serviço

“Titane Em Noite de Santo Reis”
Participação especial de Elomar
Músicos convidados – João Omar e Hudson Lacerda

8 de dezembro de 2018, sábado – 20h (abertura dos portões: 19h30)
Sala Minas Gerais (Av. Tenente Brito Melo, 1090 – Barro Preto)

Ingressos a R$30 e R$15 (meia-entrada): à venda pelo site Eventim (https://goo.gl/RHaz5Z) ou na bilheteria da Sala Minas Gerais – de terça a sexta, 12h às 21h

Classificação indicativa: livre
Outras informações: (31) 2527-8585