ATIVIDADES

Governo de Minas Gerais e Codemge comemoram o Dia da Gastronomia Mineira

3 de julho de 2018

Programação na Mineiraria – Casa da Gastronomia contempla palestras e degustações, cultura e empreendedorismo

Nesta quinta-feira, 5 de julho, é comemorado o Dia da Gastronomia Mineira. O Governo de Minas Gerais e a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) marcam a data com intensa programação na Mineiraria – Casa da Gastronomia (Rua Uberaba, nº 865, Barro Preto, Belo Horizonte). O dia começa com o descerramento da placa de inauguração do espaço cultural, inteiramente restaurado para receber atividades diversas de valorização e promoção da gastronomia mineira. O imóvel recebeu investimento de mais de R$ 1,5 milhão por parte da Codemge, para adaptação e restauração completa do edifício histórico.

Na sequência, os Diálogos na Mineiraria irão trazer profissionais renomados para conversas sobre tópicos diversos relacionados à gastronomia, como formação profissional, comunicação e design para produtos e empreendimentos gastronômicos, além de gastronomia social e relação entre gastronomia e turismo. O P7 Criativo, agência de desenvolvimento da indústria criativa, também participa, realizando atendimentos individuais para orientar empreendedores da área sobre o design de embalagens e rótulos de alimentos.

Na parte da tarde, os participantes poderão curtir exibições da Cozinha ao Vivo Mineiraria e harmonização de queijos e azeites mineiros. Por fim, o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG) encerra a programação com o lançamento do documentário “O Quê do Queijo: um segredo do Serro”. Uma realização do Iepha, o filme do documentarista Paulo Henrique Rocha retrata o modo de fazer do queijo do Serro, Patrimônio Histórico Imaterial.

Ao longo de todo o dia, delícias culinárias estarão à venda nos food trucks e na feirinha de produtos típicos.

Programação completa

Diálogos na Mineiraria
13h | Formação e reconhecimento profissional
Vani Pedrosa (SENAC), Flávio Trombino (Restaurante Xapuri), Ricardo Rodrigues (Abrasel e Frente da Gastronomia Mineira). Mediação: Fernanda Prado (Sedectes)
14h | Gastronomia e Comunicação
Maíra Lemos (Canal Maíra Lemos), Nenel (Baixa Gastronomia). Mediação: Edson Puiati (Una)
15h | Gastronomia Social
Débora Cabral (Gastrô For All), Marcelo Podestá (movimento Slow Food), André Dias (Circuito Gastronômico de Favelas). Mediação: Rodrigo Fernandes (Servas)
16h | Turismo e Gastronomia
Experimente Minas com Rota da Cachaça, Café Unique com a Rota do Café Especial, Travessia Gastronômica do Instituto Amado. Mediação: Fátima Trópia (Sebrae-MG)
17h30 | Gastronomia e Design
Alexandre Minardi (Mercado da Boca), Agnes Farkasvolgyi (Bouquet Garni), Cristiane Pereira (Núcleo de Design do Senai Cecoteg FIEMG). Mediação: Rita Engler (UEMG)

Cozinha ao Vivo Mineiraria
11h30 | Mercado Central
15h30 | Doces Antunes

Outras Atividades
11h a 20h | Feira de Produtores e Food Trucks
11h30 a 17h | Atendimentos individuais P7 Criativo: design de embalagens e rótulos para empreendedores da gastronomia
18h | Harmonização de queijos e azeites mineiros
Eduardo Girão (especialista em queijos) e Ana Beloto (azeitóloga)
19h | Lançamento do documentário “O Quê do Queijo: um segredo do Serro”

Momento de balanço

O lançamento da Mineiraria e do programa +Gastronomia, em maio de 2017, representou o incremento e a sistematização de diversas ações de incentivo à gastronomia no Estado. Com o objetivo de ser uma vitrine da gastronomia mineira e projetar nossos produtos, profissionais e tradições, a Mineiraria atua em três frentes: os espaços itinerantes, a Casa da Gastronomia e a Cozinha Escola Mineiraria.

Os Espaços Mineiraria foram responsáveis por levar mais de 90 expositores a 16 eventos pelo país, colocando cada vez mais em evidência a gastronomia mineira, em eventos dentro e fora de Minas Gerais. Em alguns casos, os empreendedores tiveram também a oportunidade de participar de encontros de negócio com supermercadistas e proprietários de bares, restaurantes e empórios locais, com o objetivo de capitalizar a visibilidade e o impulso dados pelos eventos para construir parcerias duradouras e proporcionar aos produtos mineiros uma maior inserção no mercado nacional.

A Casa da Gastronomia, localizada no Centro de Cultura Itamar Franco, no Barro Preto, na capital mineira, é um equipamento cultural pioneiro, que celebra a gastronomia mineira – sua diversidade, produtos e modos de fazer, instrumentos e utensílios, e também seus profissionais, produtores, pesquisadores e apreciadores. A casa já recebeu eventos como o Festival Gastronomia no Parque e Festival Internacional de Cerveja e Cultura, e chefs renomados como Alex Atala, Carlos Bertolazzi e Léo Paixão. Em breve, o equipamento irá sediar atividades de promoção, divulgação e capacitação em gastronomia e culinária das diversas regiões de Minas Gerais, além de eventos, oficinas, cursos, exposições e demonstrações.

Já a Cozinha Escola Mineiraria no Mercado Central é um espaço inovador de aprendizado e trocas, que recebeu, desde setembro/2017, quase 2 mil alunos, que participaram das mais de 80 aulas já realizadas no local. Ao todo, a Codemge irá investir R$ 1 milhão, no período de 24 meses, afim de garantir, fomentar e promover ainda mais a diversidade da gastronomia mineira, tão bem representada ao longo dos corredores do Mercado Central. A gestão do espaço, feita em parceria pela Codemge, a Secretaria de Estado de Turismo (Setur), o Mercado Central e o Centro Universitário UNA (responsável pela curadoria temática), aproxima ainda mais política pública, promoção e educação para o setor da gastronomia.

Gastronomia: estratégia de desenvolvimento

Desde 2015, a Codemge lançou cinco editais de apoio a festivais gastronômicos e food trucks, direcionando ao setor de gastronomia mais de R$ 4,6 milhões. Ao todo, foram contemplados 64 projetos em mais de 70 municípios, em 14 dos 17 territórios de desenvolvimento mineiros. O processo de seleção avalia critérios como viabilidade da execução, inovação, envolvimento de profissionais e produtos da região, tradição do evento e acessibilidade.

Os eventos contribuem para a movimentação do fluxo turístico regional e nacional, reforçam o posicionamento do estado como um destino turístico gastronômico de referência no Brasil e promovem uma maior qualificação dos serviços de hospitalidade nos municípios realizadores. De acordo com levantamento realizado pela Setur, a gastronomia mineira é o atrativo mais apontado pelos turistas: 29% dos que visitam o estado consideram a culinária nosso maior ponto forte.

A gastronomia é um setor que promove inclusão social e gera oportunidades de renda em todos os setores da economia: agropecuário, indústria e serviços. O segmento oferece postos de trabalho no campo e em cidades de todos os portes ― e, em particular, vagas de primeiro emprego. A cadeia produtiva da gastronomia se caracteriza por ser longa, de notável capilaridade, e de emprego intensivo de mão-de-obra. Por causa disso, ações que beneficiam um de seus pontos têm impactos multiplicados em toda a cadeia e também em setores relacionados, como o turismo.

No total, os investimentos da Codemge na gastronomia, entre 2015 e 2018, ultrapassam R$11,7 milhões, contribuindo para a criação e/ou manutenção de 2.048 empregos diretos e 10.240 empregos indiretos.

Programa +Gastronomia

Os investimentos da Codemge são parte do Programa +Gastronomia, lançado em maio de 2017 pelo Governo estadual. A iniciativa envolve diversas instâncias da administração estadual, para, em conjunto com a sociedade civil e a iniciativa privada, fomentar e valorizar toda a cadeia produtiva da gastronomia, do campo à mesa, reconhecendo-a como setor estratégico para o desenvolvimento sustentável do Estado de Minas Gerais. A política tem por objetivo orientar as ações governamentais voltadas ao fortalecimento da gastronomia mineira e de toda a sua cadeia produtiva: segmentos da produção de insumos, de abastecimento e armazenamento, de comércio, de indústria e de serviços.

Além da geração de emprego e renda, o +Gastronomia se pauta pela preservação das tradições gastronômicas e reforço da identidade local e do senso de comunidade e pela busca da sustentabilidade socioeconômica e ambiental. O objetivo é que a gastronomia mineira ganhe cada vez mais força e se consolide como um ativo reconhecido nacional e internacionalmente, tendo suas atividades, programas e ações realizados de forma colaborativa e participativa entre os diversos atores do setor.

O Governo do Estado e a Codemge incluíram a gastronomia no escopo de promoção do desenvolvimento econômico, considerando-a um setor estratégico com ampla capacidade de alavancar outros setores da sua cadeia de valor, como o agronegócio e o turismo de eventos, tornando-os mais inovadores, dinâmicos e competitivos. Reconhecer esse potencial e tratá-lo de forma estruturada como alvo de política de desenvolvimento econômico evidenciam a maturidade e a lucidez da administração pública em Minas Gerais.

Os empreendedores desse segmento, ao receberem recursos públicos alinhados ao seu potencial e à sua criatividade, podem ampliar a produtividade e a competitividade de Minas Gerais no mercado brasileiro, principalmente como um destino turístico-gastronômico de referência. Fomentando diversas frentes de ação, a Codemge cumpre seu papel como indutora do desenvolvimento econômico e se integra de forma consciente e madura à política de valorização do cidadão praticada pelo Governo de Minas Gerais.

Indústria Criativa

O fomento da Codemge à gastronomia integra o Minas de Todas as Artes – Programa de Incentivo à Indústria Criativa, lançado em agosto de 2015. A iniciativa inédita e estratégica busca fomentar o desenvolvimento de novos negócios que gerem empregos, renda e riquezas para o Estado. Até o fim de 2018, serão investidos mais de R$ 50 milhões em editais de fomento e fortalecimento, com iniciativas de valorização de setores como gastronomia, audiovisual, design, moda, música e novas mídias. A Indústria Criativa constitui a cadeia produtiva composta pelos ciclos de criação, produção e distribuição de bens e serviços que usam criatividade e capital intelectual como insumos primários. Estima-se que haja mais de 250 mil empresas no Brasil na área da Indústria Criativa.