ATIVIDADES

Governador de Minas Gerais participa de abertura da Semana Internacional do Café

25 de outubro de 2017

Durante o evento, o governador autorizou medidas para incentivar o desenvolvimento do setor no Estado por meio do programa Certifica Minas Café

O governador Fernando Pimentel participou nesta quarta-feira (25/10), no Expominas Belo Horizonte, da solenidade de abertura da Semana Internacional do Café, considerado o principal encontro dessa cadeia produtiva no Brasil. Durante o evento, o governador assinou dois despachos governamentais determinando à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) tomar providências para a ampliação da participação de produtores cafeeiros no programa Certifica Minas Café (CMC) e definindo que produtores participantes do Certifica Minas Café possam obter a chamada Certificação 4C, com o objetivo de proporcionar aos produtores maior acesso aos mercados nacional e internacional.

Fernando Pimentel destacou a importância de se valorizar os produtores de café do Estado. “Houve um tempo em que parecia que a produção agrícola era um motivo de vergonha para o produtor. Era uma coisa menor, menosprezada. Fala-se muito da indústria, da alta tecnologia, na indústria do futuro, como se a agricultura fosse uma coisa que nós devêssemos deixar de lado, esquecer, como se fosse atrasado. Mas, é o contrário. As grandes oportunidades que nós estamos tendo estão surgindo justamente do agronegócio e da produção agrícola familiar, que também em Minas Gerais está tendo um destaque muito importante. O que nós estamos fazendo é resgatar um valor importantíssimo para a nossa cultura, a nossa origem, pelo fato de sermos mineiros”, afirmou, lembrando a criação do Certifica Minas Café, uma iniciativa inédita no mercado global e que tem atraído parcerias internacionais.

O governador recebeu três homenagens. O Sindicafé e a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) entregaram a medalha de Honra ao Mérito do Café e uma placa pelos serviços prestados ao setor cafeeiro mineiro. Ele recebeu placa em agradecimento ao apoio que tem dado a programas como o Geoportal do Café: mapeamento do parque cafeeiro de Minas Gerais, e o Certifica Minas Café. Por fim, o Conselho Nacional do Café (CNC) entregou placa de agradecendo pela parceria e estímulo ao setor, através do fomento de projetos voltados à modernização e sustentabilidade da cafeicultura.

Setor cafeeiro

O Brasil é o maior produtor mundial de café. Em 2016, o PIB do agronegócio mineiro fechou em R$ 207,6 bilhões. O café representa 6,9% do PIB do agronegócio. Com uma produção de 13,8 milhões de sacas, correspondendo a 51,5% da produção do Estado, o Sul de Minas e Centro-Oeste são as principais regiões produtoras mineiras.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Roberto Simões, destacou a importância do café para a economia brasileira e de Minas Gerais. “O café representa mais de R$ 20 bilhões no Brasil. Minas Gerais, em 2017, deve colher 24 milhões de sacas, sendo 54% da produção nacional, daí a importância extrema desse produto. Por isso, nós empenhamos tanto com nossos parceiros para produzir a Semana Internacional do Café. Teremos mais de 25 eventos simultâneos nesses três dias, cuidando do mercado e negócios, e estamos trazendo mais de 30 compradores internacionais e jornalistas para divulgar a excelência do nosso produto”, afirmou.

O presidente do Sistema Ocemg, Ronaldo Scucato, salientou a atenção dada pelo governador ao setor. “Quero agradecer o governador pela sua sensibilidade em reconhecer a importância da produção primária do estado, em especial o café, que é um dos nossos principais produtos”, completou.

A Semana Internacional do Café acontece até 27 de outubro e é realizada pela Seapa em parceria com a Codemig, o Sistema Faemg, a Café Editora e o Sebrae. O objetivo é tornar Belo Horizonte, durante a realização do evento, a capital mundial do café, atraindo todos os elos da cadeia, do produtor ao consumidor final.

Entre os expositores está o Espaço Mineiraria, que integra o programa +Gastronomia, do governo do Estado. O programa tem como objetivos o incentivo e valorização a cadeia produtiva da gastronomia mineira, segmento estratégico para o desenvolvimento econômico. No local, é possível encontrar produtos típicos do estado, como queijos, café, doces e pães de queijo.

Também participaram da abertura os secretários de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Pedro Leitão, de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães, o presidente da Codemig, Marco Antônio Castello Branco, o presidente da Emater, Glênio Martins, o presidente da Federaminas, Emílio Parolini, os deputados estaduais Dalmo Ribeiro, representando a Assembleia Legislativa de Minas, Emidinho Madeira, Ulysses Gomes e Bráulio Braz, prefeitos e lideranças do setor.

Geoportal do Café: projeto pioneiro no Brasil

O Governo mineiro prepara o lançamento do Geoportal do Café, a fim de contribuir para a excelência de uma das principais atividades econômicas em Minas Gerais. A criação da plataforma tecnológica tem a participação da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-MG), da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) e da Seapa, com a parceria da Codemig e da Fundação João Pinheiro (FJP). O valor total do projeto de mapeamento do parque cafeeiro é da ordem de R$ 6 milhões, sendo R$ 4 milhões oriundos da Codemig e R$ 2 milhões de contrapartida da Emater e Epamig. Os recursos estão sendo investidos em softwares, veículos, drones e tablets utilizados para todas as fases do trabalho.

O objetivo do Geoportal do Café é mapear todas as áreas de cultivo no estado, com inserção de dados socioeconômicos e geoespaciais para subsidiar políticas públicas e investimentos privados de toda a cadeia produtiva. O café é a principal commodity agrícola de Minas Gerais, com relevância na geração de emprego e renda. A conclusão do mapeamento trará informações completas dos 451 municípios listados como produtores de café pela Emater-MG e está prevista para março de 2018.

Por meio do Geoportal do Café, o produtor poderá localizar sua propriedade nas glebas de café, o que será importante para melhor planejamento e gestão da atividade. Também para os gestores municipais e estaduais, os dados levantados e disponibilizados serão capazes de facilitar o direcionamento de ações para todas as regiões. O geoportal é a primeira fase do Observatório da Agricultura, considerado um projeto ainda mais amplo para contemplar as principais cadeias produtivas mineiras.

O mapeamento do parque cafeeiro de Minas Gerais vai apresentar, com exatidão, o que o estado tem de café irrigado. Hoje o número estimado está em 10% da área plantada, que ultrapassou 1,2 milhão de hectares em 2016. O geoportal também vai facilitar a vida dos usuários, que poderão carregá-lo para qualquer lugar como fonte de consulta.

(Com informações da Agência Minas)